Notícia

Disfunção erétil: o que fazer se até a medicação não funcionar mais?

Disfunção erétil: o que fazer se até a medicação não funcionar mais?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O tratamento com cateter geralmente pode corrigir a disfunção erétil

A disfunção erétil é uma queixa relativamente comum, mas a maioria das pessoas reluta em falar sobre isso. Portanto, os problemas geralmente não são tratados ou as pessoas tentam se ajudar com os comprimidos. Em muitos casos, no entanto, a doença é baseada em um distúrbio circulatório aterosclerótico, no qual as artérias da pélvis e do pênis são estreitas ou fechadas para que uma ereção não possa mais ser alcançada, relata a Sociedade Alemã de Angiologia - Sociedade de Medicina Vascular (DGA). Um tratamento com cateter com ou sem implante de stent pode ajudar aqui.

De acordo com a Sociedade Alemã de Angiologia, mais da metade de todos os homens com disfunção erétil não respondem adequadamente ao tratamento com medicamentos ou sofrem de efeitos colaterais. O professor Dr. explica que oportunidades existem para ajudar esses homens também. Nikolas Diehm, fundador e diretor médico do Centro de Medicina Vascular Mittelland (Aarau, Suíça), em um comunicado de imprensa por ocasião do 2º congresso de intervenção da Sociedade Alemã de Angiologia (DGA).

Terapia por cateter com ou sem stent

Segundo o especialista, o tratamento com cateter com ou sem implante de stent permanece uma opção promissora se a disfunção erétil for devida a distúrbio circulatório aterosclerótico e a medicação não tiver efeito. Diehm relata que a terapia com cateter é uma oportunidade fascinante para melhorar a “claudicação do pênis” de maneira minimamente invasiva, no que diz respeito às opções de tratamento angiológico para disfunção erétil.

Intervenção minimamente invasiva

Desde 1923, segundo o DGA, a influência das oclusões da artéria pélvica na capacidade erétil foi descrita pela primeira vez pelo cirurgião vascular René Leriche. "Há muito se sabe que a revascularização nessa área, seja cirúrgica ou endovascular, pode melhorar a função erétil." Mas as opções cirúrgicas foram limitadas por um longo tempo. Apenas alguns anos atrás, graças ao diagnóstico aprimorado e à tecnologia minimamente invasiva, os médicos vasculares também se aventuraram em artérias mais finas e de baixo nível, relevantes para a ereção, de acordo com o DGA. A intervenção se estende até o pênis e os vasos sanguíneos às vezes têm menos de um milímetro de diâmetro, relata a sociedade especializada.

As artérias são dilatadas e estabilizadas

Nos métodos usados ​​hoje, as artérias são dilatadas apenas com um balão ou, se necessário, adicionalmente estabilizadas com um stent. De acordo com a DGA, também são utilizados balões e stents revestidos por medicamentos. A intervenção provou ser relativamente bem-sucedida nos primeiros pequenos estudos com 30 (estudo ZEN 2012) e 25 pacientes (estudo PERFECT I 2014). Cerca de 60% dos homens tratados apresentaram melhora da função erétil e o resultado foi confirmado pelos estudos PERFECT II-IV subsequentes e pelo registro PERFECT. Segundo o DGA, o procedimento era seguro para todos os pacientes.

O que compromete o sucesso do tratamento?

Segundo os especialistas, fatores limitantes para o sucesso do tratamento são, por exemplo, pré-danos avançados nos menores vasos sanguíneos (microangiopatia) e vias nervosas (neuropatia periférica) devido a diabetes ou doenças da próstata. O uso de cigarros, álcool e drogas também pode ter um impacto negativo. O princípio básico era: "Quanto mais confiável o distúrbio funcional for amplamente atribuído às artérias estreitadas, maior será o sucesso do tratamento". Pacientes mais jovens respondem particularmente bem à terapia com cateter, enquanto as chances de sucesso diminuem com o aumento da idade.

Disfunção erétil é um sinal de alerta

Segundo o DGA, a disfunção erétil é frequentemente a primeira indicação de outras manifestações de aterosclerose, como doença cardíaca coronária (DCC), doença arterial periférica (DAP) ou artéria carótida estreita (estenose carotídea). Se houver algum problema, um exame médico deve ser realizado com urgência. Após o diagnóstico, esse traço também deve ser seguido para evitar um ataque cardíaco ou derrame, enfatiza o Dr. Hans Krankenberg, chefe do departamento de angiologia da Clínica Asklepios Harburg, no comunicado de imprensa da DGA.

Necessidades adicionais de pesquisa

Segundo os especialistas, ainda há alguma necessidade de pesquisa sobre as possibilidades da terapia com cateter porque, por exemplo, o risco de oclusão renovada da artéria após o procedimento é significativamente maior que o de artérias coronárias de calibre comparável. A chamada taxa de reestenose é de quase 40% após seis meses. Até agora, o motivo disso não é conhecido. No entanto, mesmo com a reestenose, geralmente não há comprometimento renovado da função erétil do paciente.

Considere outras causas de disfunção erétil

Basicamente, deve-se ter em mente que a disfunção erétil pode ter uma variedade de outras causas além da aterosclerose. Aqui, por exemplo, a deficiência de testosterona, doenças neurológicas ou estresse psicológico pode ser mencionada como possíveis gatilhos. Os especialistas também explicam que medicamentos comuns, como betabloqueadores e antidepressivos, geralmente comprometem a função sexual. Portanto, antes de considerar a cirurgia, as várias causas possíveis dos problemas devem ser verificadas. fp)

Informação do autor e fonte


Vídeo: Disfunção Erétil Psicológica (Julho 2022).


Comentários:

  1. Eferhard

    Eu acho que você admite o erro. Eu posso provar.

  2. Theodorus

    Isso que é vida. É isso.

  3. Masson

    Obrigado, foi muito agradável ler e tirar algumas conclusões para mim.



Escreve uma mensagem